MESSAGES TO MY DARLING SON AMERJIT

tcgc2MESSAGES  TO MY  DARLING  SON AMERJIT
The text below is a message I sent you and your sister Priscila through several internet sites (including a Canadian site) where people look for a contact with their loved ones. Your photo with me and your sister was shown with my message, as well as other photos of both of you.
“To my beloved children Amerjit Singh Uppal and Priscila Campos Uppal this message from my heart…
Wherever you are, please do get in touch with me, since I love you very much and I miss you a lot, feeling always a deep grief for the family tragedy we have been living since November 28,1982.
I hope you do remember the years we were together and the fact that I did all I could, as a mother, to keep us together.
I pray to God that you both will have the courage to face threats and lies and, without endangering your personal safety, manage somehow to communicate with me, winning evil and trusting God, as I taught you when we were together!
With great love and much tenderness, your mother,Theresa Catharina.

tcgc1MESSAGES TO  MY  DARLING  DAUGHTER  PRISCILA
My beloved daughter Priscila:
I remember you – as a child – writing lovely messages and poems to me! My heart was always filled with joy when you read your beautiful words to me! In such a beautiful voice – like music!
Your tenderness stayed with me, brightening my soul deep down with an endless light.

God bless you!
Your mother,
Theresa Catharina
Brasília, October 24, 2002

To my very dear – much loved daughter Priscila –
I wish a Happy Birthday (on October 30, 2002), beside your family and friends.
Affectionately,
your mother,
Theresa Catharina
_________________________
Thu, 28 Nov 2002 Happy Thanksgiving Day – same date (Brazil & USA&Europe)
Dear, much loved, darling daughter Priscila:

I wish you and your husband Christopher a very Happy Thanksgiving Day. In my heart, I also wish a very happy Thanksgiving day to Amerjit.
I used to celebrate with you and Amerjit, at home, when we were together, all the special days, dates and holidays. We decorated the house, exchanged cards, had special food and gifts. It was so much joy and love! We prayed to God, too. Thanking Him for all we had!
And Thanksgiving we celebrated in October (the Canadian holiday…) and on the last Thursday of November (as in the USA, in Europe and Brazil).
Today, my gift to you is there, at my personal site. Whenever you have time – and feel like – go back to my personal site. There, you are present, and beloved Amerjit too, with all my dear family, smiling with such joy (the fruit of love and hope).
God Bless you! I bless you too, as your mother.
With much love,
Theresa Catharina
_______________________________

As always, you and Amerjit are in my thoughts, my prayers and in my heart. Love is God´s greatest gift. We cannot force anyone to love us. But we are free to love, despite all. No one can take love out of us. Because love is a personal choice. Life with love is much better! To say “no” to love is work against ourselves. It is not intelligent to refuse what is best for us. It is a challenge we face everyday.   God Bless you both! And I bless both of you too, as your mother, and send you all my love.
Theresa Catharina

EXPEDIENTE

EXPEDIENTE
Editoria, Produção e Redação
Theresa Catharina de Góes Campos
Jornalista (Registro Profissional MTb 06 – livro 1, folha 3, verso, ano 1967, atualizado para DF03234JP na última renovação), Escritora e Professora Universitária (Comunicação)
theresa.files@gmail.com

Webmaster/design
Walter Rodrigues Ferreira
Tecnólogo em Processamento de Dados
walter.rf@ig.com.br

“Rosácea de Estrelas” também publicada na edição especial do jornal “Legis”

“ROSÁCEA DE ESTRELAS” TAMBÉM PUBLICADA NA EDIÇÃO ESPECIAL DO JORNAL “LEGIS”

Esta é a versão em pdf do arquivo
http://www.sindilegis.org.br/adm/jornalegis/ arqupload/ano2008/80jornalAgostoEsp-2008827171044.pdf

JORNAL “LEGIS” – Ano VIII – Número 80 – EDIÇÃO ESPECIAL – Agosto de 2008
LEGISLEGISCARTAR
Rosáceas de estrelas. Contam. Como foi, não sei. As
palavras, as circunstâncias, há muito derraparam no tempo. Hoje, não
consigo nem mesmo a promessa de um retorno àqueles dias agora
relembrados. Retorno ao passado, volto à infância. A custo, posso
apenas concordar com a minha avó materna. Ela me conta que eu, com uns
três anos de idade, já opinava sobre as eleições presidenciais.
Repetindo conversas de adultos, eu dizia, até com uma certa segurança
na voz infantil, mas confundindo a noção de realidade:- Eu votei no
“Duta”.Outro fato perdido no recuo dos anos refere-se à ocasião em que
papai beijou minha irmãzinha caçula,Victoria, três anos mais nova que
eu, e, depois, encostou seu rosto no dela por alguns minutos. Ao
presenciar tal cena, prontamente pedi:- Papai, me beije como o senhor
beijou Victoria. Faça no meu rosto o mesmo que o senhor fez,
igualzinho…Se, um dia, eu beijasse com os olhos o infinito do céu e
então sentisse nos lábios o esplendor de mil rosáceas de estrelas,
ainda imaginaria minha infância um baú preciosíssimo, repleto de
lendas verdadeiras. (Ah, a meninice que escorregou com o crescimento
de nossas mãos!)As rosáceas de estrelas não poderiam mesmo competir.
Existem há séculos e pertencem a todos.Mas a simplicidade é própria
das crianças , crédulas e crentes, para quem tudo existe como
possibilidade.E o valor de um carinho de pai prolonga-se em nossa
vida, repetindo-se e se fazendo presente por toda a eternidade.A
filha que muito o ama, Therezita.O pai da autora faleceu em 2000 e a
mãe em 14 de junho de 2008. O manuscrito original deste texto foi
encontrado por Theresa entre algumas cartas que sua mãe guardava.Ao
meu querido Pai, no dia do seu aniversário.Rio, 07 de julho de 1963Por
Theresa Catharina de Góes Campos

A MEU PAI AVIADOR

A MEU PAI AVIADOR

A meu pai, Fernando Salvador Campos (falecido em 02-02-2000), da primeira turma de oficiais-aviadores da recém-criada Força Aérea Brasileira (o novo Ministério da Aeronáutica, criado em 20 de janeiro de 1941, hoje Comando da Aeronáutica). Entre as inúmeras missões cumpridas, fez a Patrulha do Atlântico, na Segunda Guerra Mundial; pilotou vôos do CAN – Correio Aéreo Nacional, ansiosamente esperados nas regiões mais carentes do Brasil; viagens do Correio Suez, de suprimento e apoio ao contingente brasileiro em missão de paz das Nações Unidas, no Canal de Suez; missões de aerofotogrametria, Busca e Salvamento, quando estava no Sexto Grupo de Aviação, em Recife-PE, entre muitas outras missões e funções, úteis e relevantes.

Por todos os lados,
abaixo e acima,
um mar de nuvens
a nos rodear:
oceano infinito
do amor de Deus.

Próxima pelo espírito
a meu pai aviador,
lembrando as palavras
do herói também piloto
que encontrou no deserto
o seu Pequeno Príncipe.

Os três, de vida tão frágil.
Os três, amigos das nuvens.
Vivem a realidade do encontro
que não tem mais separações.
A serenidade dos imortais.

Lagoas, enseadas e lagunas
no céu de nuvens emolduradas
por mãos divinas e criadoras.
Em constante caminhada, as dunas
cantam e voam, ecoando o amor
do Arquiteto maior, do Pintor inigualável.

Como se o céu fosse jardim,
que o Jardineiro não deixa fenecer:
um espaço de sonhos e aventuras,
todas finalmente realizadas
nas revelações descerradas,
em rotas do infinito a se descortinar.

Ah, esses pioneiros e desbravadores,
ousados e corajosos em sua fé,
determinados a cumprir todas as missões.
Atraídos pelos céus, amigos das nuvens
indômitas, viajantes destemidas.
Tão à vontade nas alturas, esses
leais, bons amigos das nuvens,
caminhando como anjos corajosos
acima de lagos e mares, rios e florestas.
Conheciam as paisagens do infinito
que refletiam os limites desafiadores
de vales, montanhas e desertos.

Na eternidade, porém, tudo é infinito,
inclusive a paz, na plácida imortalidade.

Theresa Catharina de Góes Campos
13 de outubro de 2009, em vôo de Brasília a São Paulo.

NOTA:

Antoine de Saint-Exupéry dedicou sua obra mais conhecida, O Pequeno Príncipe, ao amigo Léon Werth, escritor e crítico de arte.
Ensaísta e romancista francês, Léon Werth sobreviveu à Segunda Guerra Mundial. Vinte e dois anos mais velho que o jornalista, escritor e aviador, declarou no fim do conflito: “A paz sem Exupéry não me parece inteiramente a paz.”
Só teve conhecimento do livro que lhe fora dedicado cinco meses depois da morte do amigo, quando recebeu uma edição especial.
No poema A Meu Pai Aviador, faço referência a três pessoas muito especiais porque pensei, ao escrever os versos, incluir O Pequeno Príncipe, na verdade, lembrando Léon Werth, porque tudo indica ter Exupéry nele se inspirado, para construir o personagem mais famoso em todo o conjunto de sua obra literária.

Theresa Catharina

Prefácio de Ceres Alvim para “Existe Vida Sem Poesia?”

PREFÁCIO de CERES ALVIM para “EXISTE VIDA SEM POESIA?”

Após a Missa, Theresa Catharina lançou-me um desafio: – Existe Vida sem Poesia?
Sofri um impacto, retrocedi e fui arremetida àquele instante primeiro da mágica de Deus:
– “Faça-se a Luz.”
Deus lançava a primeira semente: a PALAVRA. E, com ela criava o universo.
De acordo com “Sefer letzirá”, o Livro da Criação, Deus criou o mundo com as vinte e duas consoantes do alfabeto hebraico. (p.200)
“…Estas letras são os elementos estruturais com as pedras dos quais foi erguido o edifício da Criação.
Antes que o mundo fosse criado, só Deus e Seu Nome existiram. Tudo o que foi criado e tudo o que foi falado provêm de um Nome.”
A PALAVRA contém energia em potencial. Pronuciada, pode criar ou desintegrar o universo de cada um de nós. Abarca tudo o que existe. Também a Poesia.
A Poesia é inerente à Vida, inerente a cada um de nós.
O Poeta é aquele que enxerga e vive a Poesia no cotidiano, a cada momento, em cada ato, expresso ou não pela PALAVRA.
E então vejo diante de mim Theresa Catharina, amiga e poeta, que carrega dois nomes de santas e doutoras da Igreja.
De onde Theresa extrai tanta energia, vitalidade, seus dias de quarenta e oito horas?
De onde vem a inteligência privilegiada, um território computadorizado de conhecimento?
De onde vem esta força arrasadora, o sofrimento transmutado em força?
Penso que da PALAVRA. Da Poesia.
A Poesia fez de Theresa Catharina a grande educadora que é, não só de seus alunos, mas de nós todos, seus amigos que assistimos a seu desfile pela Vida: criativa, imperturbável, incorruptível, humanista, doadora de seus muitos talentos. As mazelas não alcançando, não tocando a fímbria de seu vestido.
A primeira PALAVRA contém o Sonho, a Esperança e a Poesia, esta Trindade verde que voa dentro de nós, às vezes tão diáfana…
Para que o mundo possa viver sem Poesia, Deus terá que desmanchá-lo. Desmanchar a Fantasia. Pronunciar uma nova PALAVRA que recolha e guarde em Seu Nome as vinte e duas consoantes do alfabeto hebraico.
Mas … Onde estive? Você falava…
– Therezita, o que foi mesmo que você me perguntou?
Brasília, 30 de maio de 1989
CÂNDIDA SEVERIANA
Nota: Cândida Severiana foi o pseudônimo usado, nas primeiras obras, pela escritora Ceres Alvim, mãe de cinco filhos e avó de Pablo Alvim, que ilustrou a maioria de seus onze livros.
Amiga, colaboradora e incentivadora de Theresa Catharina, desde 1965, já nessa época a chamava de “Therezita”, como até hoje, seus familiares e amigos mais íntimos.

Amizade: Saudades e Muitas Lembranças

AMIZADE: SAUDADES E MUITAS LEMBRANÇAS

Data: Sun, 29 Jul 2007 19:20:30 +0000
De: “Maria Regina Saldanha da Silva Athayde”

Theresa Catharina,

Os momentos que passamos juntas, nos anos em que, com meu marido e meus filhos estivemos aí em Brasília, foram maravilhosos.
Não existiu nada que a senhora tenha feito para mim e minha família que tenha ofuscado sua imagem. Tudo foi maravilhoso e só tenho a agradecer a Deus por lhe ter conhecido e convivido com uma pessoa inteligente, integra, de caráter, alegre, sensata, de bem com a vida e a quem tenho orgulho de chamar de amiga.
Sinto saudades daqueles momentos, e da senhora em particular, mas quem sabe qualquer dia a gente se reencontre, não é?
Entrei em todos os seus sites e fiquei bem feliz por saber que continua escrevendo coisa lindas e importantes para todos que gostam de uma boa mensagem e leitura. Continue assim!
Gostei das fotos enviadas – a senhora não mudou nada.
Sinto pelo falecimento do seu pai e seu irmão, pelo seu sofrimento com o câncer.
Tenho certeza de que Deus depositou na senhora a força de que necessita para prosseguir, realizando trabalhos maravilhosos de ajuda a quem precisa.
Um forte e carinhoso abraço de quem continua torcendo pela sua saúde e felicidade.
Sua amiga,
Regina

A Vida de Mamãe

A VIDA DE MAMÃE

(In memoriam) Theresa Amélia de Góes Campos
15 de outubro de 1925 – 14 de junho de 2008
A vida de Mamãe foi inspirada por Deus e realizada na família com amor e dedicação, todos os dias de sua existência.
Por isso, é no amor que Mamãe nos deu, que ela, nossa Mãe, continua viva em nosso coração.
Deixou o nosso convívio para ser recebida por Deus, faltando apenas quatro dias para completar um ano da morte de seu único filho, Fernando José Salvador Campos.
Papai morreu em 02 de fevereiro de 2000, pouco antes de completar, em 15/3/2000, 56 anos de casamento feliz com nossa Mãe. Deixou um legado para nós, um tesouro como herança: o seu exemplo de caráter, de responsabilidade e honestidade no trabalho e na rotina de vida, assim como na dedicação à família. Católico praticante, como nossa Mãe, ambos nos ensinaram, com seu exemplo e na disciplina que de nós exigiam, a rezar e a freqüentar a igreja.

Theresa Catharina de Góes Campos
São Paulo, 15 de junho de 2008

O reconhecimento de nossa luta por valores éticos

O reconhecimento de nossa luta por valores éticos
De: “Agnes Altmann”
Data: Fri, 11 Feb 2005 07:46:47 -0800 (PST)

Olá, Theresa Catharina,
Que Deus continue protegendo, abençoando e encorajando você a não desistir nunca do seu empenho nos sites e todo o seu trabalho voluntário em favor da ética, do respeito à pessoa humana e sobretudo o querer fazer o melhor que pode em prol da sociedade.
Agnes Altmann

Meus irmãos Victória Elizabeth e Fernando José

Veja também:

Curriculum vitae
Encantada com o Marcador do Livro de Poesias
FOTO da TURMA de MESTRADO de FERNANDO CAMPOS (In memoriam)
Fotos do Almoço Comemorativo de Meus 65 Anos
Fotografias de meu aniversário
Registro fotográfico de meus 62 anos
Novas Fotos de Theresa Catharina trabalhando em São Paulo
O registro de minha memória
Parabéns por escrever sua história…
Comentários sobre o CD-ROM “Pensamentos para Ser, Agir e Viver Melhor!”
Relatório das aulas de natação (Atualização)
Encontro de alunas do Colégio São José
Theresa Catharina escolhida para receber  Prêmio…

Sobre minha família e meus amigos

theresa_e_filhosSobre minha família e meus amigos

Minha família
Meus Pais ( In memoriam): Fernando Salvador Campos e Theresa Amélia de Góes Campos (Therezinha).
Meus irmãos: Fernando José Salvador Campos (In memoriam) e Victoria Elizabeth de Campos Barros.
Visite o Álbum de Fotografias

HOMENAGEM E GRATIDÃO A MEUS MÉDICOS MARAVILHOSOS
Humanos e competentes, agradeço-lhes os excelentes cuidados e a minha qualidade de vida – há muitos anos!
Louvado seja Deus! Colocou em meu caminho estes Médicos:

Dr. AFONSO HENRIQUES P.A. Fernandes – Ortopedia e Traumatologia
Dr. ANTÔNIO Ferreira de Campos TORRES Neto – Endocrinologia
Dr. ARLINDO Mattos de Oliveira Jr. – Neurologista, Neurocirurgião
Dra. CHRISTIANA S. Modenese Carvalho – Dermatologia
Dr. JOÃO NUNES de Matos Neto – Oncologia Clínica
Dr. LEIZER Divino de Castro VALADÃO – Oftalmologia e Microcirurgia
Dr. Maurício Ribeiro BRAGA – Ortopedia e Traumatologia
Dr. RICARDO Peixoto CAMARINHA – Cardiologia e Clínica-Geral
Dr. TELMO Dias BORBA da Costa – Neurologia
Dra. ZILENE do Carmo MARQUES – Ginecologia e Obstetrícia

Fui paciente do Dr. FRANCISCO ELIOMAR Gomes de Oliveira – Cirurgia Oncológica e Mastologia, de 1998 a 2000, ano em que viajou para fazer especialização nos EUA. A ele, Tenente-Coronel-Médico da Aeronáutica, também registro aqui a minha homenagem e gratidão.
Theresa Catharina de Góes Campos

Muito obrigada, queridos médicos! Que Deus os proteja – e a seus familiares – e os cumule de muitas bênçãos, em todos os dias de sua vida!
Theresa Catharina de Góes Campos
Brasília, 18 de outubro de 2002

HOMENAGEM idêntica à que registrei acima, eu também faço ao Dr. Ricardo Peixoto Camarinha (que em 2002 ainda não era meu médico) – Cardiologia e Clínica Médica.  E também ao Dr. Luiz Alberto de Mendonça Lima – Nutrologia
Brasília, 24 de abril de 2004
Theresa Catharina de Góes Campos

Minhas atividades pessoais e profissionais

Minhas atividades pessoais e profissionais
Conviver… aprendendo com o próximo. Ler (livros e periódicos) em qualquer lugar; escrever textos em prosa e verso; assistir a espetáculos artísticos (filmes, dança, música e teatro); visitar exposições diversas; organizar eventos; consultar e ler o acervo de bibliotecas. Ler a Bíblia e rezar – nada é mais poderoso que uma oração, nossa conversa de filhos com Deus. Divulgar informações. Desfazer injustiças! Apoiar iniciativas de mérito. Pesquisar, estudar. Admirar as belezas da natureza. Conversar com familiares, amigos e meus irmãos em Cristo.
Ajudar alguém a ser melhor. Fazer conferências sobre assuntos culturais.
Agradecer o apoio recebido.

Theresa Catharina como estudante de jornalismo

Theresa_fac02Theresa Catharina como estudante de jornalismo
Com alguns de seus colegas da Faculdade Nacional de Filosofia (Universidade do Brasil – RJ, hoje Universidade Federal do Rio de Janeiro), Theresa Catharina (Curso de Jornalismo – Turma de 1965), em viagem de estudos a Ouro Preto, sob a orientação do Prof. Celso Kelly (Disciplina: Educação Artística), em novembro/1964. (Agradecimentos à gentil colaboração do colega Vivaldo)

Jornalista, conferencista, escritora, professora universitária e produtora cultural

theresa3Jornalista, conferencista, escritora, professora universitária e produtora cultural.
Minha vida e meu trabalho têm os mesmos objetivos ético-morais, numa visão de cidadania universal de acordo com os mais elevados princípios cristãos.Minha fé e confiança em Deus dão sentido a esta vida temporária que deve nos preparar espiritualmente para uma vida maior,depois da morte aqui na terra. Esperança e amor têm o poder de nos transformar e fazer crescer!